quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Saiba quanto custa um filho até a faculdade

Criar um jovem até os 21 anos custa cerca de meio milhão de reais. É o equivalente a meio quilo de ouro ao ano ou 10 quilos ao longo de uma vida estudantil. Essa soma é resultado do investimento que os pais fazem em diversas áreas.

Educação: escola, cursos de idiomas, cursos de informática e aulas de música. Além do nível cultural, como dizem, a beleza é fundamental, principalmente para os adolescentes. Então é necessário adicionar: academia, natação, clínica de estética, alimentação especial, dentista, aparelhos ortodônticos, roupas, calçados, acessórios. E não podemos esquecer do lazer: cinema, teatro, parque de diversões, brinquedos, CD´s e DVD´s, celular, computador, internet banda larga... Ufa!

Se os pais investissem os valores desses gastos conseguiriam através de uma previdência privada, por exemplo, acumular um valor três vezes maior e conquistar uma aposentadoria tranqüila.

Para aqueles que optam por aproveitar o que a área pública disponibiliza para a formação de seu filho, o gasto até 21 anos cai para o patamar de R$ 50 mil. Mas cuidado com essa economia. A globalização aumentou a competição por empregos. Cada vez se exige maior qualificação dos candidatos.

Desde o nascimento, o gasto é enorme! Plano de saúde, guarda-roupa da mamãe, quarto do bebê, primeiro enxoval, fraldas, mamadeiras, chupetas, kit de higiene, babá ou creche. Isso tudo somado pode facilmente ultrapassar R$ 1.000 mensais. Novamente fazendo um cálculo de investimento desses gastos, em 6 anos (50 meses) já seria possível comprar um apartamento no litoral.

Podemos estabelecer uma proporção de gastos em relação ao total entre as diversas fases da vida dos filhos: de 0 a 5 anos - 15%; de 6 a 11 anos - 20%; de 12 a 17 anos - 30% e de 18 a 23 anos - 35%. Os gastos com filhos sobem, em média, 2% ao ano. Após os 12 anos o salto é de 10%. Por isso, os pais precisam promover uma alteração completa em sua vida financeira após a chegada das crianças. Seria prudente o casal já possuir uma reserva financeira de 30 mil reais. Outra dica, o segundo filho do casal custa, em média, 20% menos do que custou o primeiro. O terceiro, então, sai 35% mais barato.

Isso porque eles dividem quartos, brinquedos, roupas e ganham descontos em escola. Portanto, quem decide formar família deve ter rapidamente todos os filhos desejados. Mas essa estratégia é interessante quando os filhos ainda não atingiram a fase universitária (a mais cara!) porque manter dois ou três filhos, sem trabalhar, simultaneamente em universidades particulares pode exigir uma renda familiar acima de R$ 15 mil mensais.


Marcos Crivelaro é professor PhD da FIAP - Faculdade de Informática e Administração Paulista e da Faculdade Módulo, especialista em matemática financeira e consultor em finanças.
Fonte

0 comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger